domingo, 31 de janeiro de 2010

Ratos e Homens (Of Mice and Men)


Hoje vi um filme chamado Ratos e Homens. Um filme do qual não esperava muito, por não gostar muito de um dos atores que nele trabalhou: John Malkovick (que faz o papel de Lennie). Não sei por que, mas não vou muito com o jeito dele.
Só que esse filme mudou minha opinião sobre o trabalho dele. Achei ótima a interpretação dele. Realmente fantástica.

Esse filme é baseado em um livro do escritor americano John Steinbeck. É a história de dois amigos, George e Lennie. George (Gary Sinise, também diretor do filme) é um cara esperto e com certa experiência de vida. Lennie é uma criança em corpo de adulto. Sua inocência é absurda, chega a ser perigosa, como o filme mostra. Lembra muito o famoso príncipe Liev Nikoláievitch Míchkin do O Idiota, de Dostoiévski.

George: Vá dormir, Lennie.
Lennie: George?
George: Vá dormir, Lennie!
Lennie: Eu estou dormindo, George.

A diferença é que Lennie já tem um relacionamento de amizade muito forte com George, e confia plenamente nele; são amigos de infância.

Eles vivem na periferia da sociedade, trabalhando praticamente por comida e moradia. A história se passa nos anos 30, na época da recessão econômica. Eles andam fazendo bicos em fazendas da Califórnia.

Em uma determinada fazenda é que se passa 90% da história. Outros personagens, menos “importantes”, porém marcantes, vão aparecendo na história. A relação de amizade é muito trabalhada nesse filme, entre homens e entre homens e animais. Achei também que foi bem ressaltado como pode uma mulher causar tanta confusão no núcleo da história. Mas não farei julgamentos, fica aqui a dica para quem quiser ver. Achei muito bom realmente. Vale a pena gastar umas horas da vida vendo essa história percorrer o seu caminho mesclando os sentimentos humanos com problemas sociais e a esperança por um futuro melhor.
Abaixo o trailer do filme:


O filme me deixou tão empolgado que vou procurar o livro para ler e me aprofundar nos nuances da história e ver a idéia que gerou tudo isso. Ao pesquisar na net, vi que existe uma edição de bolso desse livro, para minha (e a de muitos leitores) alegria, custando somente R$ 13. Encontrei na Livraria Cultura.

Fonte: imdb 
Reblog this post [with Zemanta]

GTA San Andreas: Rádios


Quem gosta de GTA San Andreas e de música com certeza não deixou de gastar um bom tempo ouvindo as rádios do game e, como eu, até caçando informações na net sobre cada uma das faixas.

Para os que não conhecem, GTA (Grand Theft Auto) San Andreas é um jogo de PS2 (Playstation 2) onde você controla Carl Johnson. Esse jogo sempre gera uma certa polêmica na mídia devido ao seu estilo politicamente incorreto. Carl é como um mercenário, impelido por sentimentos de revolta, após a morte de sua mãe. Durante o jogo ele vai descobrindo coisas sobre o seu passado e presente, sobre seus amigos que nem sempre são verdadeiramente amigos. Ele vai cumprindo missões, ganhando dinheiro e sempre evoluindo (no sentido financeiro e no avanço de suas perícias). É possível roubar carros, bater em pessoas na rua, etc. Tudo de incorreto e algumas coisas não tão incorretas, que se pode imaginar.
Enfim, em algumas etapas do jogo você está numa estrada, fazendo uma pequena viagem, dirigindo em velocidade excessiva, então, por que não ouvir uma música pra relaxar? Aí que entram as rádios do game.

Sempre que se está dentro de um carro, ou moto (rádio em moto ainda é um mistério para mim), é possível sintonizar em uma das 11 rádios do game, cada uma com seu estilo particular, e curtir os sons. Os caras que selecionaram as músicas capricharam, os setlists foram junções perfeitas.

As rádios são as seguintes:

WCTR Talk Rádio
Essa rádio não tem músicas, são apenas notícias, previsões de tempo, etc.

Master Sounds
Essa rádio é uma viagem pelo mundo sensual e espiritual da música. Toca clássicos do soul, groove e uns classic funk; como Bobby Bird, Charles Wright e, é claro, James Brown.

Playback
Nessa rádio rola mais a sonoridade da batida do hip hop de raíz, com sons de Public Enemy, Kool G e outros.

Bounce FM
Funk é o que toca nessa rádio, mas, pra deixar claro, não é o funk carioca, é funk de raíz. Fat Black, Zapp, Koll and the Gang são artistas que tem suas músicas aqui tocadas.

K-DST
Essa rádio é a do bom e velho Rock n' Roll, uma das minhas preferidas. É Rock progressivo e outros mais da década de 70, como Kiss, Creedence Clearwater Revival (yeah!), Toto, Rod Stewart, Heart, America, The Who, David Bowie, Lynyrd Skynyrd e outros.
Essa é uma das que mais escuto quando jogo.

K-Jah West
Essa é a rádio representando do reggae e suas variações. Tocando Black Uhuru, Buju Banton, Shabba Ranks (aquele daquele hit Mr. Loverman que tanto tocou nas rádios aqui no Brasil), Blood Sisters, Dennis Brown e outros.

CSR
Essa rádio joga nos ouvidos do meliante jogador baldes de modern soul. Tocando Guy, Johnny Gill, SWV, Soul II Soul, dentre outros mais.

Radio X
Essa é A rádio. Definida como player de modern rock, ela reúne uma seleção de clássicos. Sons que deveriam ter em todos os jogos do mundo (visão utópica ligeiramente empolgada). Nela aparecem Guns N' Roses, Helmet, Faith no More, Depeche Mode, Danzig, L7, Ozzy, Soundgarden, Rage Against the Machine, Jane's Addiction, Stone Temple Pilots, Alice in Chains, dentre outros.
Simplesmente perfeito.

K-Rose
Country e suas vertentes são exploradas nessa rádio. Country é relaxante, tem muitos sons que eu não conhecia que passei a conhecer e gostar após ouvir essa rádio, como Jerry Reed, Hank Williams, Willie Nelson, Eddie Rabbit, Whitey Shafer e mais alguns.

Radio Los Santos
Nessa rádio o que rola é o som das ruas, dos guetos; Ice Cube, Above the Law, Cypress Hill, 2 Pac e outros.

SF-UR
Nessa rádio rolam sons mais alternativos, underground. A assim chamada “house music”. Com artistas como Jomanda, Cultural Vibe, Ce Ce Rogers, Joe Smooth e outros.

Pra quem não tem o jogo ou não está afim de jogar só para ouvir, aqui, no site oficial do game, da Rockstar Games, tem um player em que é só escolher a rádio que quiser e ouvir. Não recomendo para quem tem conexão lenta, o site é meio pesado.

Aqui tem um link com o setlist de todas as rádios, para quem quiser saber as faixas para comprar cd ou baixar por aí. Esse site não tem links para download de faixas, só informa mesmo as faixas em si. Um site que recomendo pra baixar é o famoso 4shared. Basta colocar lá o nome da música ou do artista, dar um search e, achando, colocar pra baixar.

Posteriormente farei um post mais aprofundado sobre as rádios que gosto mais, com mais detalhes sobre a época musical e sobre a seleção musical.

Espero que esse post ajude a esclarecer informações sobre as faixas das rádios. Gastei um bom tempo viajando na net pra descobrir as faixas de cada rádio, além de outras informações.
Reblog this post [with Zemanta]

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Origem da Clownrofobia

Essa propaganda da loja Walmart explica a origem do medo de palhaços que muitas pessoas têm por aí.

Feeds pra que?


Hoje o Google liberou um recurso extra bem interessante para quem utiliza o Google Reader.

Quem usa o Reader acaba ficando limitado à somente sites que tenham os Feeds RSS disponíveis; mas muitas vezes nos deparamos com sites interessantes que gostaríamos de obter atualizações na nossa página do Reader e quando vamos adicionar, vemos que o site não tem Feeds disponibilizados.

Pois agora nossos problemas acabaram!
Agora o Google Reader cria os Feeds para o tal site em questão. Basta pegar o endereço do site e colocar no campo “add a subscription”; depois é só clicar no “create a feed” e pronto.

Para quem não está habituado ao Google Reader, ele funciona, resumidamente, da seguinte forma. Você acha uns dois ou três blogs interessantes e quer estar sempre ligado nos novos posts deles; então, pra que ficar perdendo tempo abrindo a página deles todo dia? É só adicionar os feeds deles no Google Reader e simplesmente entrar no site do Reader. Lá ele te informa se houve algum post novo dos tais blogs, se houve, quantos foram etc., e permite que você o leia.
Talvez não pareça lá muito útil pra quem visita poucos blogs e/ou sites, mas pra quem visita/acompanha uns 20 ou mais, tipo eu, é uma verdadeira mão na roda.

Pra começar a usar é bem fácil, é só entrar no site do Google Reader, com a mesma senha do orkut/gmail, etc. E começar a viajar por lá. A tela do Reader é assim:




Tem muitas coisas lá que ainda não sei utilizar bem, mas nesse quesito de centralizar num site só todos os sites/blogs que eu acompanho o Reader me atende perfeitamente.

domingo, 24 de janeiro de 2010

Protesto via Twitter


Fiquei sabendo de um acontecimento que achei digno de nota aqui no blog.


Uma simples twittada e uma foto geraram uma grande tempestade de opiniões no Canada agora em janeiro.


Tudo começou em Novembro de 2009, quando a empresa Toronto Transit Commission (TTC), que funciona, traçando um paralelo com nossa realidade, como uma empresa que administra certas “estradas” e também outros meios de transporte públicos, decidiu aumentar as taxas cobradas aos transeuntes canadenses. Anunciaram que o aumento ia começar a valer a partir do dia 3 de Janeiro.
Essa medida não foi muito bem vista pela população, é claro. (Fico insatisfeito, de maneira semelhante, ao saber que o preço dos ônibus aqui da região onde moro também irá aumentar. De R$ 1,70 foi para 2,30. Um absurdo, visto que o transporte público aqui é caótico.)


Enfim. Numa bela noite de Janeiro, mais precisamente na noite do dia 21, um twitteiro, ao passar pelo guichê de pagamento da TTC, se depara com uma cena singular. Ele então, tomado pela insatisfação por ter que pagar mais do que pagava anteriormente, decidiu documentar como uma fotografia o que para ele com certeza foi um momento de revolta. A fotografia foi essa abaixo:




A foto foi prontamente postada por ele no Twitpic, pelo Twitter, no perfil OGLE_Toronto. Em pouco tempo um vendaval de opiniões diversas balançava as janelas do prédio de comentários que se seguiram à foto.
Pessoas injuriadas mandaram mensagens criticando a empresa pelo aumento recente, alegando que estavam pagando para que os funcionários dormissem no serviço. Outras ridicularizaram o funcionário. O grupo de trabalhadores da TTC criticou ferozmente o twitteiro e defendeu o funcionário, dizendo que antes de criticar, as pessoas deviam ver se ele não tem por acaso algum problema de saúde (muitos funcionários tem diabetes e outras doenças) ou outro tipo de problema sério que possa ter o afetado.


Agora a TTC está como alvo da mídia e sua imagem está bem negativa.




Essa história mostra o poder da internet através do Twitter. Uma simples twittada colocou uma grande empresa numa situação delicada, onde terá que tomar alguma atitude para melhorar a situação.


Não acho que tenha sido uma maneira particularmente correta de agir essa do twitteiro fotógrafo. Com certeza, como a corrente sempre arrebenta no elo mais fraco, eu creio que deva sobrar para o funcionário dorminhoco. Provavelmente ele será demitido, dependendo do padrão de atuação da empresa. Se fosse com algumas aqui no Brasil, seria bem possível que ele levasse uma justa causa.
Tudo isso seguido de um pedido de desculpas formal, por parte da TTC, feito em algum jornal ou outro meio de informação.


Essa é minha opinião sobre como essa história pode acabar “terminando”.


Por outro lado, acho válido o acontecido, por mostrar o poder que todos têm em mãos atualmente, para mostrar falhas das grandes empresas que muitas vezes agem de maneira desleal para com os consumidores. Ressaltando que é um ponto delicado, dependendo do que uma pessoa falar, a situação pode acabar de revertendo de maneira negativa.

Veja os comentários dos Twitteiros sobre a foto aqui. Já são mais de 21 mil.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Needful Things (Trocas Macabras)


Às vezes penso que ficar sem internet é necessário para que depois eu possa voltar a utiliza-la. (reflexão interna)

Enfim, ontem, passando pela MGM vi um filme que me chamou bastante atenção. “Trocas Macabras” (Needful Things) é o nome. Como curto muito filmes de suspense e terror (com algumas raras exceções) tinha que ver esse filme, ainda mais durante a madrugada, só faltou a chuva para dar um clima melhor.


Enfim, ao começar o filme, na apresentação, descobri que era baseado num livro do mestre Stephen King. Aí já era, pensei “agora tenho certeza que verei esse filme”. Geralmente minha escolha sobre que filme assistir (ou que outra coisa fazer)  é incerta até os 10 minutos iniciais do filme.


Enfim, esse filme não é muito famoso; eu pelo menos nunca tinha visto falar dele antes. Foi filmado em 1993 e dirigido por Fraser Clarke Heston. O único ator que eu já conhecia de outros filmes/seriados é o Ed Harris, que faz o papel de do Xerife Alan Pangborn.


A história se passa na cidade fictícia de Castle Rock, no Maine, mesma localidade onde se passa a história A Zona Morta (The Dead Zone). Nessa cidade pequena, um curioso forasteiro (Leland Gaunt, interpretado por Max Von Sydow) abre uma lojinha no centro. Ele chama a loja de “Needful Things”, algo como “coisas que você precisa”. Esse singular lojista tem uma forma muito interessante de cobrar pelas coisas que vende, e ao mesmo tempo, tem a incrível facilidade de vender sempre o que a pessoa mais deseja, do fundo da alma.
O preço que a pessoa paga nem sempre compensa... sempre ele cobra um valor baixo em dinheiro, junto com um certo favorzinho. Esse favorzinho é sempre sigiloso... “Não gostaria de pregar uma peça naquela moça da fazenda? Juro que não é nada de mais... Ninguém vai saber que foi você, eu garanto...”.


E assim, aos poucos, sabendo dos podres de cada morador, de suas vidas aparentemente inocentes de interioranos, o vendedor vai sugerindo favores e favores. Ele vai influenciando de tal maneira cada morador que vai à sua loja, que dentro de pouco tempo a pequena cidade toma rumo ao caos.
É muito inteligente a maneira pela qual ele vai tecendo os detalhes sórdidos e diminutos de maneira que todos acabam quase perdendo a cabeça. Uns na verdade perdem de fato. Me lembra os meandros policiais de livros da Agatha Christie. Não tem nada de similar na história, mas a maneira pela qual os conselhos das pessoas influenciam os atos dos outros. Como a maneira pela qual o Hercule Poirot encontra seu fim no seu último caso, Cai o Pano.


É um dos clássicos do Stephen King, na minha opinião. Esse filme me fez começar a procurar esse livro dele para minha coleção.


Abaixo o trailler do filme:




Achei uns links para o download do filme aqui nesse blog. Não baixei, portanto não sei se os links estão todos ok, mas aparentemente estão bons.


Quando eu comecei eu era apenas um vendedor ambulante passando pela face cega de terras distantes. Adiante, sempre me movendo. Sempre indo embora... E no final eu sempre oferecia armas. E eles sempre aceitavam. Claro, eu ia embora antes deles perceberem o que haviam comprado... Não tenha medo, Hugh. Armas não matam pessoas. Pessoas matam pessoas.”


(Leland Gaunt)




Hail Stephen King!


Fonte: imdb
Reblog this post [with Zemanta]

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Premiação Breaking Borders do Google






Ano passado fez vinte anos da queda do muro de Berlim. Daí aconteceu em novembro passado uma conferência lá, reunindo políticos, jornalistas, usuários da internet, etc. Todos concordaram sobre a importância da liberdade de expressão num sistema democrático funcional. A web está aí, possibilitando possibilidades inimagináveis para participar politicamente na nossa sociedade, para trocar informações e atuar nos movimentos democráticos pelo mundo a fora.


Como parte de conferência de Berlim, o pessoal do Google anunciou um plano, trabalhando junto com a Global Voices (organização não-governamental) e com Thomson Reuters, para estabelecer o Breaking Borders Awards (premiação “Quebrando fronteiras”).


O prêmio irá honrar projetos da web, criados por grupos ou individualmente, que mostrarem coragem, energia e iniciativa pessoal no uso da internet para promover liberdade de expressão, tornando o pessoal do Google atento aos diversos pontos de vista políticos e enfrentando os que censuram informações. Os vencedores serão aqueles que estiverem realmente fazendo a diferença. Aqui você poderá obter maiores detalhes sobre as premiações, e sobre como fazer o cadastro. (em inglês)


Os vencedores irão ganhar prêmios em dinheiro.


As inscrições devem ser feitas até o dia 15 de fevereiro.


Só divulgando mais um dos projetos interessantes do Google, oportunidade e incentivo interessante.


Essa notícia foi traduzida do original em inglês em um dos blogs do Google aqui.



Reblog this post [with Zemanta]

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Tudo que você precisa saber sobre Twitter (e-book)


Na web, você acha o que você procura. Essa frase considero uma verdadeira máxima para qualquer ocasião virtual. Seja lá em que site ou rede de relacionamentos você estiver.




Então, esse post é voltado para o Twitter. Essa rede que está na mídia mais do que os plantões do BBB global. Eu admito que fiz o meu perfil no Twitter de curioso. “O que é esse tal de Twitter que todos falam? Como funciona?”. Aí fui lá. Abri o site, me cadastrei. No minuto seguinte estava olhando para a minha tela personalizada humildemente pensando “Nossa, e agora? Pra que que vou usar isso?”. Achei que foi uma certa perda de tempo ter me cadastrado lá e larguei meu perfil no esquecimento durante uns dois ou três meses. Aí, num belo dia, após ler uma revista sobre a rede de relacionamentos, decidi ir lá dar uma visitada e fazer umas alterações.


Tempo vai e tempo vem, fui conhecendo certos recursos e seguindo pessoas que sempre mandavam coisas interessantes. Evidentemente segui certas pessoas que me arrependi também. Enfim, por esses dias, como sempre, viajando pela web, me deparei com um e-book sobre o Twitter, “Tudo que você precisa saber sobre o Twitter”.

Pensei: “Por que baixa-lo? Por que não baixa-lo?”. Baixei-o. E por esses dias comecei a ler, apesar de não ser fã de leituras prolongadas na tela do PC. Não me arrependo de maneira nenhuma, pois o livro foi escrito de maneira bem simples, direta e concisa; assim como as mensagens de 140 caracteres.


O livro é dividido em 3 partes: Tudo que você precisa saber; Negócios, jornalismo e política e Uso avançado do Twitter.

Só em ler a primeira parte do livro os horizontes já são expandidos e, pelo menos eu, comecei a ver o Twitter com olhos mais abertos. O livro te direciona para o caminho único onde só você pode decidir o que quer, o que busca, nessa nova rede de relacionamentos.

No começo ele faz o papel de um tutorial bem básico, para depois ir mudando de forma e dando sugestões. Na segunda parte ele dá dicas interessantes sobre quem está afim de divulgar um trabalho, ou lidar com clientes, para o caso de quem trabalha em alguma empresa ou organização. Avançando mais, ele divaga sobre as novas tendências, os rumos que o Twitter está seguindo, e de que maneira ele irá influenciar nossa vida num futuro próximo.


Em suma, a leitura desse livro é muito recomendada para quem se interessa para saber os rumos na web no futuro e para ficar mais ligado nas novidades que muitas vezes aparecem ao nosso lado e a gente nem percebe ou finge não perceber. O tempo é rápido e voraz, e, hoje em dia, as notícias sobre o mundo giram mais rápido do que o mundo em si.


Para quem quiser ler, aqui está o link para baixar o livro, que está disponível no Blog Baixe Turbo.

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Soundboard, um mundo de sons


Pesquisando sobre filmes na web acabei esbarrando com um site genial que era o tipo de site que eu procurava a séculos de existência.


O site se chama “Soundboard”. O que é? Funciona como um mega catálogo de sons do mundo. São vários sons curtos em um “board”. O site é absurdamente grande e é dividido em diversas categorias. Movies, Nature, Games, Cartoons, etc. Tudo quando é tipo de som que você imaginar lá você vai encontrar. Só sons em português eu ainda não consegui encontrar por lá. A preponderância mesmo é em inglês. Mas isso pode ser modificado, uma vez que qualquer um pode fazer o cadastro lá e criar o seu próprio soundboard.


Achei o site ideal para quem gosta de colocar sons loucos no celular. Já copiei de lá vários sons para colocar no celular. Mas o site também pode ser usado como referência e consulta. Achei interessante por que ele tem um sistema semelhante ao do Youtube, ele gera um código “embed” e você pode adicionar no seu post de blog, como fiz abaixo:


soundboard.com
Soundboard do Star Wars

É bem simples o visual do site. Esta é a página inicial:




Aí basta procurar o termo que você quer no campo marcado ao lado da lupa e mandar procurar.
Os resultados aparecerão da seguinte maneira:





Basta clicar em algum que a página do soundboard irá abrir tocando logo a primeira faixa. Para pegar o código embed é só copiar do campo marcado na imagem abaixo (em verde); para fazer o download das faixas é simples também, no campo de download é só escolher a faixa e, como são curtas, o download dura poucos segundos. Os arquivos vem no formato mp3.



Existem outras opções interessantes no site, basta dar uma volta pelas suas páginas pra notar. Pra mim esse site é perfeito, mas sou suspeito para avaliar por gostar muito de músicas, sons, etc.
Vale a pena “perder” um tempo navegando por ele.

Batman: The Movie (1966), O melhor filme do Homem morcego


Dias atrás tive a felicidade de conseguir ver um filme clássico do Batman. “Batman: The Movie” foi produzido em 1966, tendo Adam West no papel de Batman e dirigido por Leslie H. Martinson. Nunca fui muito fã do Batman, aliás, sempre tive uma certa aversão por ele, apesar de gostar de algumas séries de desenhos dele que passavam no SBT.
Quando eu estava estudando lá pela época do segundo grau, sempre discutia com um amigo, (fanático pelo herói) afirmando para ele que o Batman não passava de um herói insagaz com tendências misóginas.

Depois, ao ver o seriado feito nos anos 60, e após esse filme do qual vou falar brevemente agora, eu fui entender que realmente eu tinha razão.

Nesse filme o Batman, junto com seu fiel parceiro Robin, enfrenta um grupo de vilões clássicos, o Charada, a Mulher Gato, o Pinguim e o Coringa. Os vilões, com suas mentes de moral distorcida, unem forças para sequestrar 9 membros da união de conselheiros mundiais usando uma arma que retira dos humanos todas as substâncias líquidas, desidratando-os até o ponto de restar somente um resíduo em pó.

É difícil achar palavras pra dizer sobre esse filme clássico. Mas ele me lembrou muito filmes de comédia no estilo de Corra que a Polícia vem aí (The Naked Gun), Todo mundo em pânico (Scary Movie), dentre vários outros.

São simplesmente geniais as situações de perigo extremo pelas quais o Batman passa, isso somado aos momentos em que ele utiliza seu super raciocínio investigativo para deduzir as situações. Sherlock Holmes cuspiria e bateria o pé no chão de inveja por não possuir tamanha astúcia.

Achei um vídeo no youtube, compilado por um usuário, com os momentos mais engraçados e geniais do filme. E, diga-se de passagem, só não digo que a compilação ficou perfeita por que senti falta de uma certa cena, mas isso podemos desconsiderar. Infelizmente o vídeo é em inglês sem legendas, mas dá pra notar muitas das situações pelo que vou falar aqui.

Vamos ao vídeo:



1. O vídeo já começa mostrando o Batman caindo numa contradição hilariante. A cena inicial é o Batman chamando a guarda costeira para prender os vilões e seus capangas, que estão num submarino a deriva no mar. Batman informa no rádio “e esse submarino está cheio da escória da humanidade”, mostrando todo seu desprezo pela vilania e pelos vagabundos. Aí na cena seguinte, Robin havia perguntado ao Batman se valeu a pena salvar a vida de uns vagabundos, bêbados e drogados que estavam num bar de onde o Batman havia retirado uma bomba. Aí a resposta tocante e comovente do Batman “Sim, Robin, eles podem ser bêbados, mas ainda são seres humanos...”

2. Na parte mais adiante Batman está com Robin no batcóptero, prestes a cair, quando ele afirma que pode ser o fim de tudo, não iriam sobreviver. Então eis que ele pousa sem danos sobre uma pilha de borracha. Então ele diz algo como “É Robin, foi por pouco, ainda bem que pousamos aqui, mas na verdade, eu tinha visto esse local de soslaio”.

3. Logo após a queda, vemos o seguinte diálogo de Batman com Robin, ao ver duas charadas no céu (?):
Robin: [apontando pro céu] Aquele míssil louco! Escreveu duas charadas antes de explodir!
Batman: [lendo a mensagem] "O que sobre branco e desce amarelo e branco?”
Robin: Um ovo! (Robin é simplesmente um gênio das charadas)

Batman: [lendo a outra mensagem] "Como se dividem 17 maçãs entre 16 pessoas?"
Robin: Fazendo um creme com as maçãs!
Batman: [pensando alto] Maçãs em creme – Uma unificação dentro de uma mistura suave. Um ovo – receptáculo natural perfeito... O receptáculo de todas as nossas esperanças para o futuro! (Batman e seu senso lírico).


4. A próxima cena é um dos pontos altos do filme, a famosa cena onde um tubarão assassino abocanha uma das pernas de Batman. Robin, ao perceber solta logo uma exclamação de imenso choque e desespero “Santa sardinha!”. Batman começa a lutar ferozmente com a besta marítima, desferindo uma sequência de socos. Robin faz uma cara de decepção significativa ao ver que os socos de seu mestre não fazem efeito. Nesse momento então Batman pede o repelente de tubarões. É curioso ver como o repelente está guardado no helicóptero. Bem ao lado de repelentes para Barracudas, Baleias , etc. Então, após se armar do spray repelente, Batman dispara contra as narinas do tubarão. O tubarão cai inerte no mar, e simplesmente explode brutalmente, enquanto a perna de Batman permanece sem nenhum ferimento visível.

5. Pulando algumas partes, outra cena que merece atenção é a clássica cena da bomba, onde Batman sai correndo pelas docas querendo se livrar da bomba enorme que está prestes a explodir em suas mãos, mas sempre encontrando com as mesmas freias, a mesma banda musica e a mesma mulher com o carrinho de bebe. Quando está preste a jogar a bomba no mar se depara com 5 patinhos de plástico que nadam felizmente pelo mar. Mas a bondade do Batman é tão grande que ele prefere evitar de jogar a bomba e se salvar do que sacrificar os pobres 5 patinhos de plástico. Então solta a pérola “Tem dias em que simplesmente não se consegue se livrar de uma bomba!”.

6. A última parte que preciso mencionar aqui antes de terminar o post é a parte do minuto 6:55 aproximadamente, onde Robin sugere “Batman, vamos pegar um táxi pra lá imediatamente” (se referindo ao prédio onde estão reunidos os 9 membros do conselho). Então Batman responde: “Não, Robin, não a essa hora do dia. Por sorte, estamos em boa forma física. Será mais rápido se formos correndo, vamos lá!”.

Em conclusão, esse é um filme que deve ser visto por todos que gostam de filmes “trash”. Repletos de situações bizarras como essas mencionadas acima.

Recomendo muito Batman: The Movie, melhor do que os filmes recentes, pelo menos muito mais engraçado.


Fonte: imdb












Reblog this post [with Zemanta]