quinta-feira, 14 de abril de 2016

Thor: O Deus do Trovão - Carniceiro dos Deuses – Bomba Divina

Após a leitura de um clássico das raízes mitológicas de Thor, conforme relatado no texto anterior, por que não pegar uma leitura atual do mesmo herói?

Pois então agora a leitura feita foi da saga onde temos o vilão Gorr, que é composta por dois volumes: “Carniceiro dos Deuses” e “Bomba divina”.

Escrita por Jason Aaron temos uma história bem mais madura e repleta de, não somente de embates físicos, como também de confrontos filosóficos.


Gorr, revoltado por sofrer e ver o sofrimento de seu povo que reza e têm somente o silêncio dos deuses como resposta, decide exterminar todos os deuses existentes no universo infinito.

A narrativa tem essência extremamente filosófica. Levanta a questão da necessidade de termos deuses. Precisamos realmente das figuras divinas em nossas vidas? Elas realmente têm algum papel no mundo, ou somente foram inventadas pelos que as adoram?

Posteriormente, entramos em um mar de conceitos. O que é um deus? O que faz de alguém um deus? Para ser um deus é necessário criar e destruir a vida? Se assim for, um paradoxo pode tormar forma quando se decide exterminar todos os deuses e criar um mundo sem deuses. Esse mundo sem deuses seria como?

A leitura dessas duas HQs é muito gratificante. Ao expor como se formou o vilão Gorr, e fica difícil definir o que é certo e o que é errado. Nem mesmo os próprios deuses podem desvendar essas questões.

 
Assim como na nossa vida do dia a dia, temos que fazer o nosso melhor, o que consideramos mais justo e correto, mas no fundo, a linha entre o que é injusto ou errado e o que é certo e justo é tênue e incerta.

De fato, essa aventura de Thor, que transcende diversos mundos e períodos temporais, faz com que tenhamos momentos de reflexão bem interessantes.

Não posso terminar o texto sem mencionar a excelente arte de Esad Ribic e Butch Guice. Simplesmente sensacional a qualidade dessa HQ. Indubitavelmente, se trata de uma grandiosa obra de arte.

Nenhum comentário: