terça-feira, 5 de maio de 2009

Fila



Uma fila é uma forma de pessoas organizarem-se na espera de algum serviço ou bem. Numa fila, o primeiro a chegar é o primeiro a ser atendido, implementado o conceito FIFO (First in, First out), num caso concreto. Na realidade o primeiro à chegar, sendo o primeiro à ser atendido, guarda-se o conceito de civilidade e direito, que só pode ser subvertido por meio de lei, que o caso da lei brasileira (Decreto-Lei nº 135/99, de 22 de Abril) que manda que alguns cidadãos em especial tenham direito maior que os do que outros que chegaram anteriormente.

Fonte: Wikipédia.

Meus amigos, hoje venho falar sobre a fila, essa “companheira” que encontramos muitas vezes em muitas situações do nosso dia a dia, isso se você for uma pessoa relativamente normal.

É uma coisa tão básica que não sei nem o que falar sobre isso. Acho que esse tipo de conceito deve ser ensinado em casa, pelos pais, família, ou qualquer outra pessoa que tenha a responsabilidade de dar o exemplo à uma criança em desenvolvimento social.

Agora, imaginem o oposto. Um local onde isso não exista. Um lugar totalmente fictício que chamarei de Éakham. O que é fila? Ninguém sabe, ninguém nunca viu nem ouviu falar. Aliás, sim, conhecem essa palavra, embora seu significado misterioso seja um enigma para a mente de seus habitantes fictícios. O que será desse humilde local? Como seus habitantes irão fazer para viver de maneira harmoniosa e tolerante para com seus convivas? Eu lhes digo: Se todos forem os mesmos, é possível a coexistência de seus habitantes, embora eu não consiga ver harmonia nesse local. É como uma sociedade animal. Já viram como ficam animais de campo (vacas, bois, cavalos, etc) ao serem libertados de um cercado? (não é um bom exemplo, pois creio que animais se respeitam mais do que os nossos fictícios habitantes, mas serve para ilustrar a idéia).

Se precisam todos passar num espaço onde só pode passar um de cada vez, ou no máximo dois, eles se juntam de maneira irregular, uns ao lado os outros, não considerando qual estava lá a mais tempo querendo sair ou qualquer ordem de chegada.

Os nossos fictícios habitantes agem da mesma maneira.

A questão é: Como inserir na mente de nossos habitantes fictícios imbecis esse conceito tão enormemente complicado? É complicado, meus amigos, se tiverem sugestões, eu as aceitarei de bom grado.

Apenas consegui chegar a conclusão de que os valores trazidos pela definição acima citada, a civilidade e o direito, não têm o mínimo valor necessário para se ter o respeito básico por um ser humano qualquer. O que faremos para retribuir e compensar a não-existência dos valores inerentes à fila por parte desses habitantes fictícios?

Pensarei sobre isso e em breve postarei

5 comentários:

Shogun disse...

Sinceramente eu ainda prefiro pensar que mesmo de forma desordenada e desrespeitosa e mesmo que um passe por cima do outro (lei do mais forte) o instinto humano providencie que se acabe formando uma fila numa situação de estarem em um local apertado como um corredor.

De resto, esses imbecis se pisariam.

...::: A Luciana :::... disse...

Eu sou a favor da fila. Temos que dar um jeito de incutir nesses cidadãos a idéia de fila a todo custo kkkkkkkk... Nem que seja pela força! Ordem sempre! (acordei meio totalitária).

Não respeitar por não respeitar, que se faça fila então, e faça os outros acreditarem que estão sendo respeitados por terem chegado primeiro. Ai... entendeu? rs

Morgane Le Fay disse...

Acho que nais cedo ou mais tarde, o instinto humano se encarregara disso...Com certeza sempra vai ter um grupo de revoltados q nao vai mais tolerar esse tipo de coisa, que vai ter conciencia de que algo esta errado!!Caso isso n aconteça vamu mandar um exemplar do Aurelio, e mostrar um outro signaficado da palara Fila e ordem..rsrs

Shogun disse...

"Eu sou a favor da fila. Temos que dar um jeito de incutir nesses cidadãos a idéia de fila a todo custo kkkkkkkk... Nem que seja pela força! Ordem sempre!"

Yeah!!!! \m/ vibrei aqui!!!

Daniel disse...

Eu concordo com a idéia da Lu, a fila tem que existir, nem que seja pela força! Deveriam colocar guardas com cacetetes nos terminais rodoviários; o malandro ou a malandra que tentar furar, desorganizar ou não respeitar a fila em qualquer uma de suas normas, incluindo a sua estética, deverá ser surrado até tomar a posição que lhe compete na fila.
Acho que só assim poderiamos solucionar, de imediato, esse problema, kkkkkk.