sábado, 16 de maio de 2009

El Valdon


Valdon Varjão, nascido em Cariús, pequena cidade do Ceará, foi senador e duas vezes prefeito do município de Barra do Garças – MS. Faleceu em três de novembro de 2008, com 84 anos, por motivo de falência múltipla dos órgãos.

Sua trajetória na vida foi conhecida nacionalmente devido ao seu projeto de lei que tinha como objetivo construir o denominado “Discoporto”, um aeroporto exclusivo para uso de discos voadores. Muitos disseram que era louco, lunático, completamente tresloucado. Eu mesmo pensei dessa maneira até analisar com mais calma os fatos.

Varjão foi, além de político, escritor, garimpeiro, comerciante, agro pecuarista, tabelião, contador, contista, jornalista, membro-fundador da Academia de Letras e Cultura do Centro Oeste, fundador e membro do Instituto Historio e Geográfico de Mato Grosso, publicando cerca de 28 livros de assuntos diversos, como história do Brasil, turismo, poesia e também uma biografia. (Gostaria de ter lido algum livro dele antes de escrever sobre ele aqui, mas é um tanto quanto raro achar livros dele para vender.).

Era vereador quando criou a Lei Municipal nº. 1.840 que foi sancionada pelo ex-prefeito, Vilmar Peres de Faria, em 1995. Essa lei que possibilitaria a construção do famoso Discoporto. Pelo projeto, cinco hectares seriam destinados à construção de uma pista de pouso de Objetos Voadores Não-Identificados (Óvnis), no Parque Estadual da Serra Azul, próximo a Serra do Roncador (onde se acredita que exista, segundo cultos místicos um portal que leva até a terra perdida de Atlântida – assunto para outro post talvez).

Então, disse a frase: ‘‘Eu queria colocar Barra do Garças na mídia, pois aqui não tinha exploração turística nem divulgação. Como sempre teve um misticismo muito forte, aproveitei a idéia”. Hoje Barra do Garças é um município que cresce devido ao lucro oriundo do turismo no local.

Valdon inclusive foi entrevistado pelo Jô Soares, o que lhe rendeu muita fama.

Só queria ressaltar a visão desse político, que com sua inteligência e aproveitando uma oportunidade, conseguiu elevar a cidade de onde gostava realmente; deixando frutos para a posterioridade.



Uma coisa que pela maioria é vista como loucura completa, nem sempre é o que parece ser. Precisamos de caras com essa visão no poder, em minha opinião; pessoas que tem uma visão além da visão limitada da grande maioria das pessoas.




Segue abaixo trechos de uma entrevista dele:

Equipe Rota Brasil Oeste - Quando o Senhor veio para Barra do Garças pela primeira vez?

Valdon Varjão - Em 1938, quando eu tinha 15 anos, eu tocava na banda de Baliza, onde eu morava. A cidade fica a uns 60 km daqui. Os festeiros aqui da Barra contrataram a banda pra vir tocar aqui. Eu vim e acabei me apaixonando por uma menina. Quando voltei pra casa, minha mãe faleceu. Eu fiquei sozinho por lá e resolvi voltar para Barra do Garças para encontrar a menina e ela estava noiva de outro. Aí eu comecei a trabalhar para o Sr. Antônio Paulo da Costa, eu tomava conta de um bilhar que ele tinha na cidade. Alguns anos mais tarde, em 1945, ele foi eleito prefeito e eu passei a trabalhar como seu secretário. Cinco anos depois, me candidatei a vereador e fui eleito pela primeira vez.

Equipe - Por que o Senhor construiu o Discoporto?

Valdon Varjão - Eu nem gosto muito de falar sobre esse assunto... Na verdade, eu queria chamar a atenção para Barra do Garças. Quando eu fui ao programa do Jô Soares para falar do Discoporto, ele me perguntou se eu acreditava em discos voadores. Eu respondi que sim. Aí ele me perguntou se eu já tinha visto um para acreditar. Então eu perguntei para ele: "Você acredita em Deus?". Ele me respondeu que sim. Aí perguntei: "Se ele já tinha visto Deus". (Risos)

Equipe - Qual a sua visão para o futuro da região?

Valdon Varjão - Sou pessimista. O Governo não tem nenhum projeto para a região. Não que o governo tenha que fazer tudo, mas ficamos viciados no apoio estatal. Os gaúchos, por exemplo, tem mentalidade diferente e costumam fazer as coisas por conta própria. Cidades que eles fundaram, como Primavera (MT), estão com uma economia ótima. Para nós falta, primeiro, uma boa injeção de ânimo e recursos. Falta também esforço político, nossa bancada é fraca no número de representantes e em pessoas de boa cultura.

(Entrevista completa em: Brasiloeste)

Gostaria de postar tudo que achei sobre a experiência de Valdon aqui, mas é muita coisa, caso alguém queira se aprofundar no assunto, segue abaixo os links.


Fontes:

Coisas de MT

Notícias - Terra

Cubbrasil

Site de sebo, com livros do Valdon:

Estante Virtual


Entrevista no programa do Jô:


4 comentários:

Shogun disse...

Impressionante o cara é um visionário.

...::: A Luciana :::... disse...

Ok, Ok... mas ainda bem que não gastaram dinheiro público com essa obra, néam rs

Daniel disse...

Pois é, Lu ! Não gastaram dinheiro e agora a cidade fatura com os turistas que vão lá conhecer o local onde seria o tal discoporto. Ou seja, só lucros ! kkkkkkk

Lord Nyx disse...

Po ta ai um cara de visão, teve uma excelente idéia que só gerou lucros, precisamos de mais políticos assim.