terça-feira, 17 de julho de 2007

Só um trecho...




"Nesse ponto já não é mais possível se desviar da verdadeira resposta para a pergunta como a gente se torna o que é... E com isso eu toco a obra-prima na arte da auto-preservação --- do egocentrismo... Assumindo, pois, que a tarefa, a determinação, o destino da tarefa está bem acima de uma medida regular, nenhum perigo seria maior do que ver a si mesmo, cara a cara, através dessa tarefa. Que a gente se torne o que a gente é pressupõe que a gente não saiba, nem de longe, o que a gente é. A partir desse ponto de vista, até mesmo as decisões erradas da vida --- os desvios e descaminhos, os atrasos, as "modéstias", a seriedade esbanjada em tarefas que não fazem parte da tarefa --- têm o seu valor e seu sentido peculiar... Nisso pode chegar a se expressar uma grande sabedoria, até mesmo a maior das sabedorias: onde o "conhece-te a ti mesmo" seria a receita para o naufrágio, se-esquecer, não-se-compreender, se-apequenar, se-estreitar, se-medianizar acabam se transformando na razão em si. Expressado moralmente: amor ao próximo, viver para os outros e outras coisas, pode ser a medida de defesa para a manutenção do mais duro dos egocentrismos. Mas essa é a exceção na qual eu, contra minhas regras e convicções, tomo o partido dos impulsos "desinteressados": aqui eles trabalham a serviço do egocentrismo, da egocultivação...

A gente tem de manter toda a superfície da consciência --- a consciência é uma superfície --- limpa de qualquer um dos grandes imperativos. Precaução até mesmo ante toda e qualquer palavra grandiosa, qualquer atitude grandiosa! São, todas elas, perigos de o instinto "se entender" demasiado cedo... Nesse meio tempo a "idéia" organizadora, a "idéia" chamada ao poder cresce e cresce nas profundezas --- ela começa a dar ordens, aos poucos ela vai evitando desvios e descaminhos, trazendo de volta, ela prepara qualidades e capacidades individuais, que um dia haverão de se mostrar indispensáveis como meios para alcançar o todo --- ela treina, um por um, todos os recursos ancilares, antes de dar qualquer notícia a respeito da tarefa principal, do "objetivo", da "finalidade", do "sentido"... Considerada por esse lado, minha vida é simplesmente maravilhosa.


(Trecho retirado de Ecce Homo, de F. Nietzsche)

Um comentário:

Anônimo disse...

Sim, provavelmente por isso e